Passatempo: Limões na Madrugada de Carla M. Soares

Boa noite, Encruzilhad@s!

Ainda agora o ano começou e hoje já andamos a discutir qual de nós as duas ia comprar o primeiro livro do ano. Tecnicamente a Catarina ganhou mas a Cláudia diz-se injustiçada porque o livro foi uma pré-encomenda (e por isso não conta!).

Se estão a ter uma discussão parecida com os vossos amigos (e não querem perder mas o fim do ano levou-vos os trocos!) não se preocupem porque nós, em conjunto com a Cultura Editora temos para oferecer um exemplar de Limões na Madrugada de Carla M. Soares.

Tal como nos nossos passatempos anteriores para se habilitarem a ganhar este livro só tem de preencher o formulário abaixo e rezar/cruzar os dedos/ cantar o só-li-dó e esperar que tenham sorte! Os resultados do passatempo saem dia 18 de Janeiro no dia de aniversário do blogue.

Atenção: Neste passatempo uma das condições é fazerem like na página de Facebook do Encruzilhadas Literárias e da Cultura Editora.

Leiam mais sobre o livro abaixo e preencham o formulário para participar.


Ansiosa por regressar à Argentina, mas presa a Portugal, distante do homem que ama e da mulher com quem vive, Adriana está perante um dilema universal e intemporal: manter-se comodamente na ignorância ou desvendar o passado da família, como se de um caso policial se tratasse, enfrentando assim aquilo de que andou a fugir toda a vida, por mais doloroso que seja. 

Num jogo magistralmente imaginado pela autora, entre a vida atual de Adriana e os ecos do Portugal antigo, machista e violento dos seus pais e avós, esta história, de uma família e dois continentes, é uma viagem entre o presente e o passado, uma ponte sobre o fosso cultural que separa as gerações, um tratado sobre tudo aquilo que a família pode fazer à vida de um só indivíduo. 

Entre a sombra e a luz, deixando que por vezes os silêncios falem mais alto do que as palavras, Limões na Madrugada é um romance sobre o amor incomum, o poder da família e a necessidade da coragem.

Regras do passatempo
1) O passatempo decorre até às 23h59 do dia 18 de Janeiro de 2018.
2) Todos os dados solicitados (incluindo Nick de Seguidor) devem ser devidamente preenchidos e completos.
3) Só será aceite uma participação por pessoa.
4) O passatempo abrange todo o território português (Portugal Continental e Ilhas).
5) O/A vencedor/a será sorteado de forma aleatória (random.org), sendo o resultado anunciado na página do blog e o contacto efectuado por e-mail.
6) O Encruzilhadas Literárias e/ou a Editora não se responsabilizam pelo extravio ou danos causados pelos CTT nas encomendas enviadas.
7) Todos os dados pessoais guardados, para efeitos de passatempo, serão eliminados após entrega do prémio ao vencedor ou vencedora.
8) Para a participação ser válida os participantes tem de pôr um "gosto" na página de Facebook do Encruzilhadas Literárias e da Cultura Editora.


Review: No Time to Spare by Ursula K Le Guin

No Time to Spare
by Ursula K Le Guin
Publisher: Houghton Mifflin Harcourt
Released on: 5th December 2017
Synopsis:
Ursula K. Le Guin has taken readers to imaginary worlds for decades. Now she’s in the last great frontier of life, old age, and exploring new literary territory: the blog, a forum where her voice—sharp, witty, as compassionate as it is critical—shines. No Time to Spare collects the best of Ursula’s blog, presenting perfectly crystallized dispatches on what matters to her now, her concerns with this world, and her wonder at it.   

On the absurdity of denying your age, she says, “If I’m ninety and believe I’m forty-five, I’m headed for a very bad time trying to get out of the bathtub.” On cultural perceptions of fantasy: “The direction of escape is toward freedom. So what is ‘escapism’ an accusation of?” On her new cat: “He still won’t sit on a lap…I don’t know if he ever will. He just doesn’t accept the lap hypothesis.” On breakfast: “Eating an egg from the shell takes not only practice, but resolution, even courage, possibly willingness to commit crime.” And on all that is unknown, all that we discover as we muddle through life: “How rich we are in knowledge, and in all that lies around us yet to learn. Billionaires, all of us.”

Rating: 4/5 stars

Review:
I received this book via NetGalley in exchange for an honest review.

Ursula K. Le Guin has been one of my favourite authors since I first read "The Earthsea Cycle" when I was a teenager. After finishing Earthsea I proceeded to tackle the rest of her works and found myself shifting my point of view on main things. I like the way she tackles humanity without apologies and shows us things as they are and as they could be.
"No Time to Spare" is a collection of essay's that the author made on her online blog.  As Le Guin states in the introduction she realised by reading Saramago's blog that she could have a space where she could express her views on ageing, belief and literature without necessarily having to interact with her readers. (However I find that Le Guin always interacts with me in a way or another as I keeping learning to see things through different eyes!)
I like the way Le Guin writes and tackles these issues with sincerity and honesty. I enjoyed her essays on ageing the most as I think it's something that's not often spoken about or when it is, it's always with a silver lighting which is the opposite of what Le Guin does. This is not to say that Le Guin doesn't take a positive approach but that she as a very "things are what they are" approach to it. On one of her essays she talks about people being the "age they fell" and not "the age they are" and she made me laugh when she stated “If I’m ninety and believe I’m forty-five, I’m headed for a very bad time trying to get out of the bathtub." I suppose I enjoy these essays as they give me a better understanding of my grandmothers and their ageing process, and how, no matter how young they feel, their bodies won't conform to it.
I enjoyed immensely these essays and would recommend them to anyone, even if you have never read Le Guin before as I think they are a beautiful insight into the author's mind.

 Cat

Known bookaholic with a bit of a book hoarding issue. Cat loves books and everything that's related to them. She has a personal GoodReads account and she believes the world is a better place for it (AKA no more repeated books from relatives as gifts!). She now lives in the UK and can often be found anywhere books are sold.

Review: Hortense and the Shadow by Natalia O'Hara and Lauren O'Hara

Hortense and the Shadow 
by Natalia O'Hara and Lauren O'Hara
Publisher: Penguin Random House UK Children’s
Released on: 
Synopsis:
A haunting, original fairy tale from two dazzling debut picture book talents, in the spirit of Neil Gaiman and Carson Ellis. 
Hortense is a kind and brave girl, but she is sad--even angry--that her shadow follows her everywhere she goes. She hates her shadow, and thinks her shadow must hate her too. But one cold, dark night, when bandits surprise her in the woods, Hortense discovers that her shadow is the very thing she needs most.

This stunningly illustrated story stirs the soul with its compelling, subtle exploration of self-esteem, self-identity, and finding inner strength.

Rating: 4/5 stars

Review:
I received this book via NetGalley in exchange for an honest review.

Natalia and Lauren O'Hara are two sisters who love fairy tales and that sent out to write their own. Hortense is their first picture book and if it is a taste of what's to come then we are in for a treat.
Hortense's story is everything a fairy tale should be; here we have a little girl who lives in the woods and gets along with every animal and plant. She is not afraid of wolves or even of the darkness of the night, what Hortense fears the most is her shadow.
No matter what she does or where she tries to hide Hortense's shadow follows her everywhere and maybe that's not necessarily a bad thing as our heroine is set to find out.
This is not so much a story about facing your fears as it is a story of acceptance. Hortense hates her shadow because "Everywhere she went, it went. Everything she did, it did. And every time night fell it grew, tall and dark and crooked.". The Shadow is part of Hortense, even if she doesn't want to admit it and it's important that our heroine understands that and learns to live with her. And the story gets the point across in a delicate and beautiful manner. 
I have to admit that I did congratulate the publisher on their choice for the illustration. Lately when checking the children section I see more and more illustration that seem like a variation of Quentin Blake's and  Tony Ross's (that already look a lot like Quentin Blake's in my opinion!) which only blends the books into one big collection. And makes Christmas shopping a nightmare for adults who don't know exactly what their children want to read.
Hortense's illustrations are different. They are whimsical, they certainly do not look like Quentin Blake (please be assure I have nothing against his illustrations!), which automatically sets this book apart. These are a different type of drawing and the colour pallet used is soft and snowy, just like the woods where our heroine lives.
For me it's important to fall in love with the pictures in a picture book as they set the mood for the story. And these illustrations achieve just that!
Beautifully and whimsicaly illustrated this is a cute and short fairy tale with a very important message. 

Opinião: A Ilha das Quatro Estações, de Marta Coelho



A Ilha das Quatro Estações

de  Marta Coelho
 
Edição/reimpressão: 2017
Páginas: 424
Editor: Clube do Autor
  




Sinopse: 
Aqui não são permitidos telemóveis, computadores nem tablets. Só te resta viver. Onde todos os sonhos são possíveis.
Este é o livro com que todos os jovens se conseguem identificar, uma história atual e relevante sobre os receios, as paixões, as fragilidades e a força de quatro jovens à procura de um novo rumo.
Cat sentia-se sem rumo e não queria ver ninguém.
Tiago só desejava poder voltar a viver como antes.
Misha isolara-se do mundo à sua volta.
Rute precisava de vencer uma batalha muito dolorosa.
Os seus caminhos cruzam-se na ilha e, juntos, preparam-se para enfrentar os seus demónios pessoais. Mas há quem tenha outros planos para eles… Será que a tua vida pode mudar quando tudo parece correr mal?


Rating: 2,75/5
Comentário: "A Ilha das Quatro Estações" foi lido durante o verão, em plena época de praia e calor, como a capa do livro aludia. Esta sinopse prometia, especialmente porque criava uma aura de mistério, um livro de acção, descoberta, e muitos segredos para ser desvendados.
O que me seduziu foi o contexto e ambiente do livro. A ilha isolada, como "centro de recolha" de adolescentes com vidas ou passados problemáticos, a proibição de contacto com o mundo exterior, o desafio de serem colocados à prova perante os seus temores individuais... Passada a leitura, esta ilha continua a parecer-me interessante, mas muito pouco explorada. O facto de turistas circularem pelo mesmo espaço dos jovens e de não se aprofundar o funcionamento do programa e a assimilação da presença de dois públicos separados (para além de uma explicação relativamente às tarefas diárias dos participantes) soou-me a pouco.
As personagens são engraçadas, e apreciei o facto de serem abordados temas tão diferentes como a perda, a violência doméstica, a depressão e o stress pós-traumático. Ainda assim, acho que qualquer uma destas valências merecia um maior destaque em detrimento do romance, que acabou por ocupar um espaço excessivo no enredo, pelo menos ao nível da sua representação.
Algumas das relações com as personagens secundárias pareceram-me um pouco inverosímeis, e apesar das interacções daí resultantes contribuírem para o desfecho (que de alguma forma, já esperava mas fiquei satisfeita por ver acontecer) senti-as um pouco montadas sem grande estrutura.
Este grupo de adolescente ganha por não funcionar segundo uma tipologia padrão, com espaço para definirem características individuais e crescerem à medida que as páginas vão avançando, e espera-se que o próximo livro lhes fala jus e ajude a delimitar ainda mais a sua individualidade.
Por fim, não deixa de ser um livro leve e que se lê rapidamente, com potencial de entretenimento. Infelizmente não me senti rendida a 100%, porque procurava algo diferente (isso ou cada vez mais não me encaixo neste discurso adolescente). Ainda assim, julgo que Marta Coelho venha a gastar espaço no género Young-Adult em Portugal e vejo-a a encaixar-se num registo que siga a minha linha da Maria Teresa Maia Gonzalez, embora com uma abordagem mais leve.



 
Cláudia
Sobre a autora:
 
Maratonista de bibliotecas, a Cláudia lê nos transportes públicos enquanto observa o Mundo pelo canto do olho. Defensora da sustentabilidade e do voluntariado, é tão fácil encontrá-la envolvida num novo projeto como a tagarelar sobre tudo e mais alguma coisa. É uma sonhadora e gosta de boas histórias, procurando-as em cada experiência que vive.

Opinião: Uma Estranheza em Mim, de Orhan Pamuk


 
Uma Estranheza em Mim

de 
 
Edição/reimpressão: 2016
Páginas: 640
Editor: Editorial Presença
  



Sinopse: 
O novo romance de Orhan Pamuk combina uma história de amor marcante com um retrato muito pessoal de Istambul e das profundas mudanças aí ocorridas entre 1969 e 2012.

Mevlut viu-a apenas uma vez e foi o suficiente para se apaixonar. Após 3 anos de cartas enviadas em segredo, decidem fugir. A escuridão da noite auxilia a fuga mas a luz de um relâmpago revela um engano terrível que os marcará para sempre.

Chegados a Istambul, Mevlut decide aceitar o seu destino seguindo os passos do pai. Todas as noites vende boza, uma bebida tradicional turca, esperando um dia enriquecer. Durante 4 décadas acompanhamos Mevlut pelas ruas de Istambul, o seu olhar face às alterações que ocorrem e as diferentes pessoas com quem se cruza.

Uma Estranheza em Mim, do autor Prémio Nobel da Literatura, foi candidato ao Man International Book Prize 2016.  Excerto
 
Rating: 3,5/5
Comentário:  "Uma Estranheza em Mim" foi a minha estreia com Orhan Pamuk. Deixei-me inicialmente ser envolvida pelo título, tão peculiar, e depois pela sinopse. Quem nos segue há uns tempos já sabe que é fácil deixar-me seduzir por sagas familiares, especialmente quando passadas em países diferentes dos que habitualmente aparecem retractados.
Pamuk traz-nos a transformação de um mundo visto pelo olhar de homem simples ao longo de três gerações, enquanto que simultaneamente nos arrasta pela transformação estrutural que sofre Istambul - a cidade, mas que também se torna em Istambul - a personagem, ao longo de quatro décadas.
Melut é um rapaz simples, sonhador, mas também muitas inconstâncias, que parte para Istambul com o pai, de forma a dar seguimento ao negócio familiar de venda ambulante de Boza, que lhes permite sustentar a família que se mantém na aldeia natal.
É a partir deste momento que se denotam os contrastes, da vivência de uma aldeia para a cidade, da cidade em si e das suas diversas regiões, dos actores que nela residem e que determinam o seu comportamento e desenvolvimento.
O enredo é transmitido paralelamente na primeira pessoa, mas também como sendo uma crónica, um relato documental do que foi a vida desta família. Todas as personagens que a determinada altura assumem o papel de narrador interpelam directamente quem as lê, rompendo a quarta dimensão. É um elemento original, que contrasta com os romances do género, trazendo-nos a verdadeira essência de uma família: a mesma história, várias versões, atropelos na narrativa, várias versões, segredos e intrigas.
Alguns dos dilemas existenciais destas personagens acompanham-nos desde a primeira à última página, ao longo de todos os anos da sua existência. São instâncias que fazem parte da sua personalidade e definem o ADN que lhes dá voz. Sem estas problemáticas, o que cada uma representa e as suas relações interpessoais não seriam as mesmas. Há os direitos de propriedade de um terreno, há umas cartas direccionadas a uma irmã (que poderia ou não ser a destinatária original), há o futuro dos vendedores de rua, do ser um bom muçulmano e/ou um bom turco, de respeitar a moral e a ordem familiar, do que é estar vivo e ter uma certa estranheza em nós.
Como já tive oportunidade de referir, a cidade de Istambul ganha um destaque bastante relevante, ao ponto de por vezes não se entender bem se lemos uma história que se passa pela cidade ou se vemos a história da cidade a ser representada pelos que vivem nela. As alterações dos bairros, os movimentos sociais que as impulsionaram, a ida e vinda de grupos minoritários à medida que as relações diplomáticas do país se vão alterando, a diminuição do espaço de vivência da rua como era, a proliferação exótica dos vendedores de boza tradicionais, são todas marcas da mesma moeda, que realçam o fervilhar que conduz esta narrativa.
Foi uma história em que gostei de emergir e descobrir aos poucos, já que o facto de não se evidenciar realmente uma parte dos elementos neste cenário complexo e diversificado, por vezes dificultou a criar uma conexão mais próxima durante a leitura.
Ainda assim, foi uma estreia brilhante com este autor, e já tenho mais uns três na calha para dar continuidade a esta exploração de Istambul perante o olhar acutilante e a consciência moral de Orhan Pamuk.



                                          Foto: Editorial Presença



 
Cláudia
Sobre a autora:
 
Maratonista de bibliotecas, a Cláudia lê nos transportes públicos enquanto observa o Mundo pelo canto do olho. Defensora da sustentabilidade e do voluntariado, é tão fácil encontrá-la envolvida num novo projeto como a tagarelar sobre tudo e mais alguma coisa. É uma sonhadora e gosta de boas histórias, procurando-as em cada experiência que vive.